PPGEA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO AGRÍCOLA INSTITUTO DE AGRONOMIA Telefone/Ramal: Não informado

Banca de DEFESA: GIZELE KELFER

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GIZELE KELFER
DATA : 10/12/2020
HORA: 14:30
LOCAL: Web conferência
TÍTULO:

HISTÓRIA DA IMPLANTAÇÃO DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA COMUNIDADE DE SÃO JOÃO DA BARRA SECA, COLATINA-ES: IMPLICAÇÕES NA EMANCIPAÇÃO SOCIAL DOS CAMPONESES

 


PALAVRAS-CHAVES:

Políticas Públicas; Educação do Campo; Movimentos Sociais


PÁGINAS: 160
RESUMO:

Esta pesquisa rememora os principais marcos históricos do Movimento da Educação do Campo a nível nacional, estadual, municipal e, especificamente, na comunidade camponesa de São João da Barra Seca - SJBS, situada no município de Colatina - ES. Com base em minha experiência de vida como estudante do campo, que tive que sair de minha comunidade de origem, em busca da continuidade de meus estudos e ao observar todo o movimento organizado das famílias residentes no Vale de Santa Joana, para que tivessem uma escola com uma proposta de educação própria e apropriada naquela região, despertou-me a motivação para investigar a trajetória de luta desses sujeitos na realização de um sonho coletivo que durou, aproximadamente, duas (02) décadas até realizar-se. Para compreender o contexto local/comunitário, foi-se necessário pesquisar a origem do Movimento da Educação do Campo em âmbito nacional e depois com uma abordagem focando o Estado do Espírito Santo. Após obter uma visão a nível macro do objeto investigado, a pesquisa destinou-se a estudar os processos históricos desse movimento no município de Colatina – ES, para assim, conhecer a história da implantação da Educação do Campo na comunidade de SJBS, que resultou-se na construção da Escola Municipal Comunitária Rural “Fazenda Pinotti”. Para obter os objetivos planejados, a pesquisa baseou-se num estudo qualitativo. O estudo de caso foi a estratégia utilizada na abordagem da coleta de dados e informações acerca da temática investigada. Os resultados da pesquisa revelaram a insatisfação das famílias residentes em SJBS e no Vale de Santa Joana, em verem seus filhos irem estudar em escolas distantes e com realidades divergentes ao contexto camponês. Esse descontentamento fundamentava-se desde o momento em que seus filhos embarcavam no transporte escolar para percorrerem por longos caminhos e em veículos sucateados, e também, pelo fato das escolas que desconsideravam o contexto camponês desses estudantes, com isso, alguns não sentiam-se motivados a continuar estudando, aqueles que continuavam não demonstravam mais interesse ao campo, adotavam uma postura de rebeldia, não se identificavam a identidade e cultura camponesa e, consequentemente, abandonavam-se o campo, acarretando-se ao êxodo rural. Essas constatações foram realidades vivenciadas por muitos estudantes e famílias camponesas de todo o Brasil, devido isso e outras situações, que surgiram os movimentos organizados para lutarem e reivindicarem pela garantia de Políticas Públicas nos territórios camponeses, neste caso, à Educação do Campo. Evidenciou-se nos resultados das pesquisas bibliográfica, documental e de campo, a importância dessas organizações sociais para o avanço e crescimento da Educação do Campo, tanto nas esferas nacional, estadual, municipal, quanto comunitário, e também, no enfrentamento diante dos entraves que essa Modalidade de Ensino encontrou até consolidar-se como direito da população camponesa. Portanto, é cada vez mais necessário, semear o contexto místico dos movimentos organizados no chão das escolas do campo, nas formações das famílias e comunidade escolar. Desta forma, a Pedagogia da Educação do Campo será cultivada em solos férteis e com mais resistências nos territórios camponeses.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1426576 - RAMOFLY BICALHO DOS SANTOS
Interno - 1054069 - IGOR SIMONI HOMEM DE CARVALHO
Externo à Instituição - ALESSANDRO RODRIGUES PIMENTA - UFT
Notícia cadastrada em: 10/12/2020 06:06
SIGAA | Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação - COTIC/UFRRJ - (21) 2681-4638 | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sig-node2.ufrrj.br.producao2i1